Empresas

Órbita. Empresa de bicicletas pioneira em Portugal cai num buraco negro

A fabricante portuguesa de bicicletas viu a maioria dos seus trabalhadores a rescindirem por salários em atraso e um contrato de 23 milhões de euros para fornecimento de sistema de bicicletas partilhadas em Lisboa por água abaixo. E há, pelo menos, um pedido de insolvência da empresa da Águeda metido por um credor em tribunal.

Os portugueses nascidos nos anos 70 devem lembrar-se da Órbita, que foi para muitos deles a marca da sua primeira bicicleta. A empresa nasceu em 1971 em resultado da decisão da Miralago, a empresa-mãe, fundada em 1956, que começou por produzir pinhões de ataque e cremalheiras, produtos que na época não eram produzidas em Portugal.

“Achei que devia haver uma empresa que devia produzir toda a bicicleta, evitando que uma empresa estrangeira viesse fazer o trabalho que nos competia: fabricar, montar e distribuir”, lembrou Aurélio Ferreira, o empresário que vendeu a Miralago/Órbita em 2015, numa entrevista dada, no ano anterior, ao programa Sucesso.pt, da SIC Notícias.

Em 2011, criou em parceria com a Câmara Municipal de Águeda, o beÁgueda. Um sistema de partilha de bicicletas elétricas com 10 unidades. Já em 2012, assume posição de destaque na área da “Mobilidade Sustentável Suave” em Portugal, com o fornecimento integral de 220 Bicicletas e 38 parques para o maior projeto à data de uso partilhado de bicicletas – o Vilamoura Public Bikes. Nesse ano, garantiu também o fornecimento de 150 bicicletas elétricas para o projeto Inovador de distribuição postal pelos CTT em todo o país.

No ano seguinte, no sistema de bicicletas partilhadas, ganhou o fornecimento para a cidade de Viseu, e em 2014 para Vila do Conde, estando hoje presente em cidades, como Oliveira de Azeméis ou Bragança.

Antes, em 2011, um seu cliente em França adjudicou-lhe a colocação de 22 mil bicicletas elétricas nas ruas de Paris. Atualmente, a nível internacional, a Órbita pedala também em muitas outras cidades de países como Espanha, Áustria ou Eslovénia.

Órbita com novos donos em 2015

Chegado a 2015, sem vislumbrar ninguém na família para dar continuidade à empresa, Aurélio Ferreira, então com 85 anos, decidiu vender o grupo Órbita-Miralago.

A nova administração do grupo, dos donos Jorge Santiago e Nuno Silva, toma posse no dia 4 de setembro de 2015, e, um ano depois, ganha uma espécie de “Euromilhões” à escala nacional: a Órbita vence o concurso para a Gira, o sistema de bicicletas partilhadas de Lisboa – um contrato no valor de 23 milhões de euros, com a validade de oito anos.

Mas as coisas não correram bem e na semana passada, o contrato foi cancelado alegando “sucessivos incumprimentos contratuais”, desde dezembro de 2017, que resultaram em sanções de 5,25 milhões de euros, valor que corresponde a 20% do valor global do contrato, o limite máximo estipulado pela contratação pública para execução de penalizações deste género.

Das 140 estações que deviam estar neste momento a funcionar, a rede Gira apenas dispõe atualmente de 92, sendo que 74 estão em operação, 15 estão instaladas mas têm falta de bicicletas e três encontram-se inoperacionais por falta de componentes.

Ao nível das bicicletas, em março, a rede de bicicletas de Lisboa tinha em funcionamento uma média de 500 velocípedes, dos quais 200 elétricos, quando o número previsto no contrato era de 624 bicicletas elétricas e 311 convencionais, num total de 935.

Contactada a Associação Nacional das Indústrias de Duas Rodas, Ferragens, Mobiliário e Afins (Abimota), o secretário-geral da organização começou por afirmar que “a situação da Órbita, e sem um conhecimento aprofundado do assunto, parece-nos resultar de algumas vicissitudes dos negócios em que a abordagem efetuada não resultou como havia sido planeada”.

Para Gil Nadais, “às vezes há grandes projetos que são grandes problemas”, reportando-se ao impacto da Gira na Órbita. “O projeto de Lisboa, conforme estava feito, exigia uma alavancagem financeira que não foi corretamente dimensionada”, considerou o líder da Abimota.

Reportar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.