É um projeto há muito falado. A ideia já tem 20 anos e surge com a requalificação da Linha do Vouga criando um sistema de metropolitano de superfície ligando Águeda, Aveiro e Ílhavo. A ideia voltou a surgir anos depois.

Raul Martins, do PS Aveiro,  desafiou a Câmara Municipal de Aveiro e Ílhavo a sentarem-se à mesa para a discussão do projeto. Num artigo de opinião publicado no Diário de Aveiro, o defensor do Metropolitano de Superfície para Aveiro sugere agora a possibilidade de aproveitar o ramal do Porto de Aveiro para a concretização do projeto de mobilidade.

Raul Martins considera que o serviço de transporte de passageiros tem meio caminho feito sugerindo estações em Esgueira, Canal das Pirâmides para servir o Rossio e na futura Lota, na zona do Tir-Tif, na Avenida José Estêvão e na Avenida dos Bacalhoeiros junto à passagem pedonal superior, estas últimas já na cidade da Gafanha da Nazaré.

Na zona do Forte admite que o processo seja um pouco mais complexo mas também com capacidade para resolver a questão até ao ferry.

Ribau Esteves já considerou a ideia despropositada pelos custos de tal operação. Com o uso de uma linha já construída, Raul Martins acredita que há bases sustentáveis para trabalhar.

Um projeto antigo guardado na gaveta

A criação de um sistema de metropolitano ligeiro de superfície começou a ser discutida nos anos 90. A autarquia de Aveiro encomendou estudos que garantiam o avanço do projeto. O debate foi prolongado até 2008, altura em que a ideia foi guardada na gaveta devido à conjuntura económica desfavorável.

Transportes públicos em Águeda vão mudar drasticamente

Este projeto atingiria uma população alvo de aproximadamente 150 mil habitantes, sendo uma mais valia social, económica e ambiental competitiva ao nível das deslocações entre estas cidades, face aos meios de transporte rodoviários atualmente utilizados.

A proposta do estudo defendia a reabilitação da linha do Vouga, com início em Mourisca do Vouga até Aveiro. Entre Mourisca do Vouga e Azurva, tratava-se de um serviço regional, com uma velocidade máxima de 70 kms/h, e entre Azurva e Aveiro, as suas características seriam de suburbano com uma velocidade comercial entre 30 e 40 kms/h, e um afastamento entre paragens inferior a um quilómetro e superior a 600 metros.

No interior da cidade de Aveiro, servindo a zona do Mercado Manuel Firmino, Hospital e terminando na Universidade, a velocidade comercial seria de 20 kms/h e o afastamento entre paragens de 400 a 500 metros, não pondo de parte a expansão para o município de Ílhavo.

1 comentário

Deixar uma resposta