O ano de 2018 está prestes a terminar. Foi um ano incrível para a nossa cidade, mas também ouve aspetos negativos que te vamos mostrar. Neste artigo vamos expor o melhor que aconteceu em 2018 e o menos bom.

AgitÁgueda ao rubro

A última edição do evento mostrou que ainda há muito para fazer, mas também nos mostrou que ano após ano, há uma equipa a melhor a cada edição. Na edição de 2018, o AgitÁgueda voltou a trazer grandes nomes da música a Águeda e ainda conseguiu elevar a fasquia nas atividades de rua ao trazer mais pessoas à baixa da cidade.

Requalificação do Alta Vila avança

Numa nota publicada no Facebook, Jorge Almeida, presidente da Câmara de Águeda, confirmou que serão investidos 1,4 milhões de euros (IVA incluído) no parque que está ao abandono desde 2013, ano em que uma tempestade destruiu o conhecido parque municipal. A Câmara Municipal de Águeda aprovou a 20 de novembro a abertura do concurso público para a requalificação do parque Alta Vila.

Vila de natal em Águeda

O investimento aumentou e as ruas de Águeda receberam o natal de braços abertos. O turismo voltou a aumentar – depois do AgitÁgueda – e as queixas também. Apesar das propostas de animação na baixa da cidade, os comerciantes da zona alta da cidade queixam-se de descriminação devido à falta de atrações de natal naquela zona da cidade.

Roteiro turístico

Devido à polémica de a autarquia ter concentrado na baixa de Águeda as atrações de natal, a ACOAG sugeriu à Câmara a criação de um roteiro turístico de forma a levar os turistas a vários pontos da cidade, em vez de se ficarem apenas pelas ruas históricas.

Pai natal mais pequeno do mundo

O maior pai natal já é nosso e todos os anos marca presença na zona ribeirinha. Este ano de modo a chamar a atenção, uma nano escultura foi colocada em exposição no Posto de Turismo de Águeda. O mini Pai Natal só é possível ser visto através de um microscópico. A obra é do conhecido Willard Wigan.

Nova ciclovias

É uma cidade com inexistentes vias clicáveis fora do centro da cidade. A notícia anima os ciclistas que optam pela bicicleta para ir para o trabalho. O arranque das obras que ligarão a cidade às zonas industriais de Barrô e Travassô por bicicleta está previsto iniciar em setembro de 2019.

Falta de mão de obra

“Queremos pessoas para trabalhar e não conseguimos”, afirmou o presidente da Associação Industrial do Distrito de Aveiro (AIDA), em  maio. O presidente da AIDA disse na altura que a situação é era tão alarmante que haviam empresas a contratam transportadoras para trazer pessoal para trabalhar das regiões limítrofes.

Transportes públicos na mesma

Águeda não tem um serviços digno de transportes coletivos. A melhor solução é o Vouguinha que apesar das avarias da automotora e dos atrasos, ainda é a melhor solução de mobilidade no concelho, enquanto que os autocarros praticamente existem na cidade para servir estudantes.

Como pode uma cidade ser inteligente sem um serviço digno de transporte coletivo?

Novo elevador melhora mobilidade

Descer e subir a pé a Rua Fernando Caldeira tornou-se bem melhor. Com a inauguração do elevador junto à Biblioteca Municipal Manuel Alegre, a mobilidade melhorou na cidade. A infraestrutura promove a articulação e integração dos diferentes espaços urbanos existentes na cidade, numa lógica de complementaridade de funções e fortalecimento de ligações. Permite a ligação da zona alta da cidade à baixa para pessoas e ciclistas.

Requalificação de serviços no Hospital de Águeda

As obras de requalificação, que deveriam arrancar até ao final do ano, deverá demorar cerca de um ano e prevê a requalificação do serviço de Urgência e da área dos meios complementares de diagnóstico, que inclui a imagiologia e o laboratório. Está também prevista a criação de uma plataforma de ligação entre o edifício principal e o edifício lateral, que passará a ser a entrada da urgência e onde será criada uma zona de espera dos familiares.

Passadiços na pateira de Fermentelos

A Sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro lançou um concurso público, no valor de 400 mil euros, para a requalificação e valorização da Pateira de Fermentelos. Os trabalhos vão decorrer na freguesia de Oiã, em Oliveira do Bairro, para onde está prevista a maior parte do investimento. No caso do município de Aveiro, a empreitada tem uma estimativa de custo de cerca de 100 mil euros e irá decorrer nas freguesias de Requeixo, Nossa Senhora de Fátima e Nariz.

2 comentários

  1. A. Marques,
    No artigo vejo pelo menos 3 pontos negativos (foram meigos com a câmara).

  2. Um reparo. Houve aspetos negativos e não..,.,ouve aspetos negativos . Cuidado qyando se escreve para todo o público!

Deixar uma resposta