Jorge Almeida deu uma entrevista ao semanário Soberania do Povo, onde falou de muitos dos assuntos mais sensíveis do primeiro ano a liderar a autarquia. Um dos assuntos mais polémicos é a organização de eventos festivos como o AgitÁgueda ou as atividades de natal na baixa da cidade.

Há 12 anos que o AgitÁgueda acontece no Largo 1º de Maio tendo custado aos cofres do município mais de 6 milhões de euros. Na opinião do presidente da Câmara, o investimento justifica-se e assegura que é para continuar. “O retorno que este evento tem carreado para Águeda, traduzse num enorme saldo positivo. O Agitágueda é um evento muito completo, que congrega na sua organização e participação activa, centenas de pessoas do concelho de Águeda e muitas dezenas de associações locais, que se empenham e dão grandes contributos para a sua realização”, afirma o autarca.

“Este evento engloba atividades de cariz cultural e recreativo, desporto, arte urbana e proporciona o acesso gratuito a esta oferta diversificada de acções. Isto é serviço público”, defende o autarca afirmando ainda que o evento promove turisticamente um território muito rico como o do nosso concelho, atraindo até cá muitos visitantes dos quatro cantos do mundo”, acrescenta Jorga Almeida na entrevista.

Jorge Almeida defende na entrevista que a Câmara Municipal de Águeda faz milagres. “O município de Águeda faz e promove obras, muitas obras, transfere valores financeiros para as freguesias como nenhum outro, compra terrenos e constrói parques, apoia o associativismo, o desporto e a cultura, está entre os melhores nas suas práticas ambientais”.

E garante que há casos em que a Câmara faz o trabalho do governo “ao construir um quartel para a GNR, as obras do Hospital e dos Centros de Saúde,  na construção das residências universitárias e acessibilidades”, continuando a defender o investimento em eventos como o AgitÁgueda e o Natal “com projetos que muitos tentam e gostariam de copiar. Eu diria que o executivo não é uma comissão de festas, faz milagres”, afirma o presidente da Câmara.

Deixar uma resposta