Estação arqueológica fechada devido a atos de vandalismo
Notícias

Local de difícil vigilância

Estação arqueológica fechada devido a atos de vandalismo

A estação arqueológica do Cabeço do Vouga, que alguns investigadores dizem ser o local histórico da cidade romana de Talábriga, está fechada devido a atos de vandalismo.

“É um facto que a estação arqueológica está fechada e a razão fundamental são os sucessivos atos de vandalismo. Já fizemos de tudo: vedámos o espaço, colocámos câmaras e em vez de identificar os criminosos [estes] acabam por levar as câmaras de vigilância”, explicou Jorge Almeida, presidente da Câmara de Águeda à agência Lusa.

O temporal de 2013 destruiu a estrutura de proteção que cobria a área onde foram realizadas sucessivas campanhas de escavação e as estruturas soterradas ficaram à mercê das chuvas, da vegetação, de curiosos e de caçadores de tesouros.

“Estamos a pensar sinceramente cobrir novamente todas aquelas instalações para não se degradarem. O que está à vista são meramente muros e todas as peças foram retiradas. Temos tudo isso preservado”, garante.

A importância arqueológica do local pode justificar o reforço de medidas de segurança, mas questiona-se se o Cabeço do Vouga será a antiga cidade de Talábriga.

Museu virtual

Para dar a conhecer o conteúdo arqueológico existente, a Câmara de Águeda está a desenvolver um conjunto de aplicações virtuais.

Pedro Alves, chefe de divisão da Câmara de Águeda, explica que está a ser feita “a virtualização dos vários períodos históricos que ocorrem naquele local”.

“O que a câmara está a fazer é a pegar nos vestígios arqueológicos e fazer uma reconstrução digital das várias épocas. Com um ‘smartphone’ ou um ‘tablet’, quem for ao local vai conseguir imediatamente visualizar todo aquele espaço e o seu funcionamento no passado, através de uma rede wi-fi local”, explica.

Vai ser também criado um museu virtual, onde é feita a reconstituição digital das peças encontradas.

“A partir de um pequeno pedaço de cerâmica, nós construímos o que era a peça. Fazemos este museu virtual e simultaneamente permitimos uma visita guiada digital, feita pela própria pessoa, no contexto da estação arqueológica e com outra riqueza que um simples painel nunca consegue dar àquele espaço. É esse trabalho que estamos a desenvolver e que muito em breve verá também a luz do dia”, disse.

Em termos de intervenção física vão ser reforçados os contrafortes e a limpeza da vegetação, bem como retomadas as escavações por um grupo de quatro voluntários europeus, enquadrados pelo Centro de Juventude de Águeda.

Log in or Register to save this content for later.

Deixar uma resposta