Depois de um verão de 2017 em que o êxito dos comboios turísticos surpreendeu a própria CP – Comboios de Portugal, em 2018 o cenário é mais pobre. O comboio turístico do Vouga – Vouguinha, pode não se realizar este ano.

A CP diz que a greve do pessoal da sua empresa de manutenção (EMEF) “acentuou a falta de capacidade de resposta daquela empresa, nomeadamente na oficina de Contumil [Porto], responsável pela manutenção dos comboios históricos e sazonais, que se debate com insuficiência de capacidade ao nível da mão de obra disponível”. É por essa razão que não foi reparada a locomotiva do Vouguinha, o comboio histórico que se estreou no ano passado entre Aveiro e Macinhata do Vouga e que teve tanto sucesso que a sua taxa de ocupação foi de 100%.

A alternativa à máquina a diesel (agora avariada) que o reboca, seria uma locomotiva a vapor de via estreita que supostamente está em estado operacional nas oficinas de Sernada do Vouga (Águeda), mas como não tem sido utilizada, precisa também de uma revisão geral para a qual não há capacidade de resposta. E há um problema acrescido: o estigma dos incêndios cerceia quaisquer vontades de pôr a circular nos carris, numa zona de forte vegetação, uma máquina movida a carvão e a deitar faúlhas.

Apesar destes condicionalismos, a CP afirmou ao jornal Público que  “procurará concretizar a realização do comboio de via estreita do Vouga”.

Deixar uma resposta