O primeiro troço da Linha do Vouga foi inaugurado em 1908 e ligava Espinho e Oliveira de Azeméis. Atualmente a linha está dividida em dois troços. Em 2011, quase fechou e entretanto ganhou um pequeno investimento que recuperou o troço entre Águeda e Sernada do Vouga. Em 2017, a linha vai ganhar um comboio turístico.

Agitours
Agitours

A Linha do Vouga, no seu primeiro troço, entre Espinho e Oliveira de Azeméis, foi inaugurada no dia 23 de novembro de 1908 pelo Rei D. Manuel II, tendo sido aberta à exploração no mês seguinte.

O troço entre Oliveira de Azeméis e Albergaria-a-Velha entrou ao serviço a 1 de abril de 1909, tendo a 8 de setembro de 1911 sido aberto o troço entre Albergaria-a-Velha e Sernada do Vouga bem como a ligação entre Aveiro e Sernada do Vouga (ex-Ramal de Aveiro), estação de onde haveria de partir uma ligação para Viseu – Linha do Vale do Vouga.

À época da sua construção, a Linha do Vouga foi considerada o mais importante investimento na região, quer do ponto de vista social quer económico, interessando diretamente a 16 concelhos que, segundo o recenseamento de 1890, somavam 336.578 habitantes.

A obra enfrentou diversas dificuldades, relacionadas com as características geográficas da zona, o que obrigou à construção de uma via com um perfil bastante acidentado e sinuoso, com curvas e contracurvas cujo raio, nalguns casos, não ultrapassa os 90 metros razão que conduziu à opção pela bitola métrica e está na origem do nome pelo qual ficou também esta linha conhecida “Linha do Vale das Voltas”.

A Linha do Vouga é o único troço de via estreita (bitola métrica) ainda em exploração. Desenvolve-se entre a estação de Espinho-Vouga e Aveiro servindo 44 estações e apeadeiros numa extensão de 96 quilómetros que atravessam 36 obras de arte.

Atualmente, a circulação ferroviária de passageiros encontra-se suspensa entre as estações de Oliveira de Azeméis e Sernada do Vouga.