Declarar um Dia Nacional da Bicicleta é uma das próximas intenções do município de Águeda em prol da mobilidade sustentável a duas rodas.

bicicleta

A candidatura à constituição da data está já em andamento, revelou o próprio presidente de câmara aguedense, Gil Nadais, e faz parte de uma estratégia mais abrangente deste município para “reforçar, distinguir e valorizar o papel da bicicleta na sociedade”.

“A bicicleta merece este reconhecimento nacional. Não é uma acção para Águeda, é uma acção para todo o país”, exclamou o responsável, durante a conferência de imprensa de apresentação do projecto Águeda + B (Águeda Mais Bicicleta). “Esperamos que todos os que defendem a bicicleta apoiem estas iniciativas, e a promovam nos seus territórios”, acrescentou.

Dentro do seu território, Águeda tem muitas mais acções programadas para promover o uso da bicicleta. A grande novidade é o projecto Águeda + B, que inclui a realização, em Setembro, de uma exposição nacional com vários modelos de bicicletas, uma mostra da evolução até hoje e concurso de elegância. Mas há mais: o projecto quer levar o cicloturismo a todos e criar um logótipo humano, organizar um mercado de trocas, espectáculos e animação de duas rodas, criar um centro de acolhimento da bicicleta e iniciar um roadshow nacional. Com a iniciativa, a cidade quer ainda ensinar a usar correctamente a bicicleta, através de formação básica e também do Programa Operacional Pedalar júnior, dedicado às escolas a partir do 5º ano.

Na agenda aguedense para este ano, constam ainda a restruturação e implementação de outros projectos, como o BeÁgueda, com mais parques e mais bicicletas, o TRACE (acções no âmbito do positive drive), ou a parceria CISMOB, visando a componente tecnológica. O apoio da cidade à bicicleta fica ainda confirmado com a adesão do município ao Compromisso da Bicicleta e ao Desafio Europeu da Bicicleta.

Conhecida como “a terra das duas rodas”, Águeda não é novata no uso da bicicleta. Aliás, o município entende a bicicleta como um “agente de valorização e desenvolvimento do território, nas suas mais diversas vertentes (económica, ambiental e social)”.

Smart City